>
Arquivos

Arquivo para

Leia o que eu escrevi numa segunda-feira, 21 de agosto de 2006.

Leia o que eu escrevi  Numa segunda-feira, 21 de agosto de 2006. População pune nas urnas os políticos corruptos que desviaram verbas públicas Não como deveria. A credulidade é um atributo da população. Pela gritante falta de informação, mormente gerada pelo desinteresse em obtê-la, é possível que boa parte dos políticos comprometidos no ‘extravio fraudulento’ … Continuar lendo

Leia o que eu escrevi numa quarta-feira, 23 de agosto de 2006.

Leia o que eu escrevi  Numa quarta-feira, 23 de agosto de 2006. Propaganda política Cometi um autoflagelo: assisti à propaganda política obrigatória, em horário gratuito. Bem-feito pra mim porque tinha coisas mais interessantes para fazer, como dormir, ler, pentear macaco, enfim… Fiquei chateado no meio de gargalhadas. Sei que é difícil, mas consegui. Em que … Continuar lendo

Leia o que eu escrevi numa quinta-feira, 24 de agosto de 2006.

Leia o que eu escrevi  Numa quinta-feira, 24 de agosto de 2006. O sentido das coisas Algumas coisas fazem sentido na vida: o sol nascer no nascente e se pôr no poente; as fases da lua; perneta usar muletas; cego dar topadas; chutar cachorro morto; os cães ladrarem e a caravana parar onde está; etc. … Continuar lendo

Leia o que eu escrevi numa quinta-feira, 31 de agosto de 2006.

Leia o que eu escrevi  Numa quinta-feira, 31 de agosto de 2006. Eleito pela burrice As campanhas eleitorais, neste mês de setembro, tendem a recrudescer. Se alguém as julgou mornas e desenxabidas até agora, então que se prepare para ataques frontais. Para quem gosta de palavrórios, a hora é essa. Começou a troca de farpas … Continuar lendo

Leia o que eu escrevi numa terça-feira, 12 de setembro de 2006.

Leia o que eu escrevi  Numa terça-feira, 12 de setembro de 2006. Caravana do JN – Jornal Nacional Tenho observado que os telejornais da TV Globo têm seguido uma linha, digamos, “Hollywoodiana”, e os apresentadores superando a importância das notícias. Isso tem desviado a atenção dos telespectadores, provocado ruído na comunicação e causado prejuízo no … Continuar lendo

Leia o que eu escrevi numa segunda-feira, 18 de setembro de 2006.

Leia o que eu escrevi  Numa segunda-feira, 18 de setembro de 2006. Falta de atenção Por que a eleição não está despertando a atenção da população? Depois de ter sido bombardeada durante um ano e meio por sucessivos escândalos de corrupção política, como a população poderia reagir senão ficar impassível, já que a perplexidade não … Continuar lendo

Leia o que eu escrevi numa terça-feira, 19 de setembro de 2006.

Leia o que eu escrevi  Numa terça-feira, 19 de setembro de 2006. Que país é esse? Grampo no TSE – Tribunal Superior Eleitoral. Dossiê forjado contra candidatos do PSDB. Pessoas ligadas à Presidência da República envolvidas em escândalos. O quê mais falta acontecer nesse Brasil varonil? Nessa terra sem leis e sem princípios pode ocorrer … Continuar lendo

Leia o que eu escrevi numa quarta-feira, 20 de setembro de 2006.

Leia o que eu escrevi  Numa quarta-feira, 20 de setembro de 2006. Piranha da vez Pelo menos as pessoas com as quais eu conversei já ouviram a expressão “boi-de-piranha”. Aquele infeliz macho castrado do gado vacum, adequado para serviços pesados do campo e para o abate, que é jogado premeditadamente no rio para ser devorado … Continuar lendo

Leia o que eu escrevi numa quarta-feira, 04 de outubro de 2006.

Leia o que eu escrevi Numa quarta-feira, 04 de outubro de 2006. Eu não queria ver… Tem coisas que eu não queria ver jamais nas campanhas eleitorais. O meu sentimento de nojo e de repúdio pelos maus políticos, a gritante falta de esclarecimento do povo, políticos mentindo descaradamente em seus discursos e brincando com a … Continuar lendo

Leia o que eu escrevi numa sexta-feira, 06 de outubro de 2006.

Leia o que eu escrevi Numa sexta-feira, 06 de outubro de 2006. O pior cego Nos últimos tempos, a opinião pública nunca foi tão subliminarmente “trabalhada” pelo Poder constituído, sobretudo da parcela da população considerada analfabeta, no sentido de “muito ignorante”, que se vende por um ralo pacote de benesses. Não fosse assim, a sociedade … Continuar lendo

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se aos outros seguidores de 161