>
Você está lendo...
Política

Castelo de cartas

1A sua construção requer habilidade e dependerá da base de sustentação. Uma vez erguido, o Castelo de cartas permanecerá frágil, no mesmo lugar, por tempo indefinido, até que uma das peças seja removida abruptamente, seja pela ação do homem, seja pelo movimento do vento ou por problemas técnicos. É assim na política. Castelos de cartas são construídos sem análise prévia do terreno; surgem os inesperados sedimentos, a quantidade de areia é maior do que a de granito, o subsolo lamacento desestabiliza a coluna principal comprometendo o restante da estrutura. Dependendo das circunstâncias o melhor a ser feito é demolir tudo e desaprovar futuras construções. Com um pouco de atenção verificamos que ao lado outros Castelos de cartas estão sendo edificados com a mesma finalidade. Estamos muito longe de consensos.

No Castelo de cartas do PT Lula é a coluna principal, por isso, tanta preocupação em mantê-lo estabilizado para que a estrutura política não rua, não desmorone rapidamente causando danos irreversíveis ao sistema de poder e ao projeto que lhe deu origem. Se Lula cair tudo vem abaixo, todas as cartas despencam (marcadas e não marcadas), com a possibilidade de não surgir outro “ungido pela bestialidade” capaz de substituí-lo (Lula) na tarefa da reconstrução do Partido dos Trabalhadores que, em via direta, está na iminência de ser extinto – implodido por ele mesmo, por sua culpa, em razão de continuadas práticas corruptas, total desgoverno, incompetência generalizada e adoção de expedientes nada republicanos desde 01/01/2003.

De todo modo, há de se concluir que os petistas, tanto dentro quanto fora do governo, irão defender Lula até a morte, por se tratar de sobrevivência própria, cada qual querendo se dar bem ou se salvar agarrando-se nele. Impressionante como os militantes petistas insistem, ainda, em “impor” Lula como figura central da política brasileira. O imperador Lula não está sozinho, soube esculpir o seu próprio “Exército de terracota”, os “Guerreiros do PT”. Se daqui pra frente a história não se mostrar diferente, depois de morto, Lula poderá ser transformado em mártir, desafiando as leis naturais. Vivo, Lula conseguiu desbancar o Padim Ciço.

Lula, desde que o Partido dos Trabalhadores foi fundado em 10 de fevereiro de 1980, por um grupo heterogêneo composto por militantes de oposição à Ditadura Militar, foi colocado no centro do universo em torno do qual tudo gravita. A ideologia majoritária do PT reinante é o “Lulismo”, ainda que uma parcela do partido afirme ser o “Desenvolvimentismo”, porém, a prática tem mostrado o contrário. Líderes populistas geralmente vendem ao povo uma imagem de igualdade, vestem a roupa dos desgraçados e prometem o impossível para que todos alcancem a salvação sem perder a esperança. O triste é que a “massa de manobra” se espelha no Lula, fato comprovado nessa relação direta entre o líder carismático e os “desdentados”. Os altos índices de popularidade forjada de um governante com essas características escondem a realidade pela qual passa o país. O exercício única e exclusivamente do populismo, em troca da manutenção do poder, coloca em risco a governabilidade do país, a estabilidade política, as Instituições, o Estado Democrático de Direito e, sobretudo, divide a nação ao meio.

O suposto apoio popular (abstrato), medido em pesquisas, jamais deveria ser usado pelos governantes como principal suporte à democracia representativa; esta, por sua vez, decorre dos próprios cidadãos, que elegem os seus representantes legais para, em seu nome, tomar as decisões políticas certas e no tempo certo visando o bem comum. Lula sempre soube usar a política populista com o intuito de criar um vínculo emotivo com o povo, para isso, instituiu o falido programa “Fome Zero”, ampliou geometricamente o programa “Bolsa Família”, expandiu o crédito para classes sociais menos favorecidas qualificando-as como “Nova Classe Média”, aliciou movimentos sociais, etc. O objetivo era um só: obter votos para si e para o Partido dos Trabalhadores – conquistar apoio popular através de uma falsa imagem, obter reconhecimento e simpatia das massas pobres por meio da catarse coletiva, são duas ações previstas na cartilha do ex-presidente.

Se formos parar pra pensar, o governo petista sempre demonstrou ser um “governo de exceção às avessas” pelo domínio exacerbado das massas através de promessas mentirosas e projetos irrealizáveis. Ter o povo eleitor dominado seria a garantia maior de permanência na presidência da República, ou em outros cargos de grande expressão política, onde tudo é permitido em nome do povo. Para um político como Lula, nascido no agreste pernambucano, totalmente desprovido de cultura e de outros valores, a sua maior ambição era assumir o mais importante posto do país, o de presidente da República – conseguiu, satisfazendo o seu ego – mas, para suprir graves deficiências pessoais, permitiu que os políticos da sua base aliada, “mais preparados” e “qualificados” para administrar o Brasil, fizessem o que bem quisessem, desde que o deixassem em paz na cadeira presidencial. Deu no que deu, uma coleção de crimes do Mensalão ao Petrolão, dos Fundos de Pensão ao BNDES, e por aí vai.

A Operação Lava-Jato está sendo responsável em levantar a redoma que cobre a podre política brasileira e deixar desnudos os seus artífices. Lula, como ex-presidente, voltou a ser um cidadão comum como qualquer outro e, como tal, não está livre de investigações, havendo indícios de sua participação em práticas ilícitas, muito embora haja quem queira transformá-lo em semideus, um ser escatológico, um ente intocável pela Justiça dos homens terrestres de má vontade. O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) na semana passada intimou Lula e a sua mulher Marisa Letícia para prestarem depoimento, como investigados, no próximo dia 17 de fevereiro. O MP pedirá explicações aos dois sobre o apartamento triplex, localizado no Condomínio Solaris, no Guarujá, litoral de São Paulo. O imóvel é alvo das investigações da 22ª fase da Operação Lava-Jato, batizada de “Triplo X”, deflagrada no dia 27 de janeiro de 2016. Ocultação de patrimônio e lavagem de dinheiro são, apenas, duas suspeitas que pesam sobre o casal. E tem mais! Jornal O GLOBO, 01/02/2016 – Relatórios de viagem produzidos pelo Palácio do Planalto revelam que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contou com sua segurança pessoal por 111 vezes em Atibaia, entre 2012 e 11 de janeiro deste ano. É nas matas de Atibaia, no interior de São Paulo, que fica o sítio Santa Bárbara, no qual a Odebrecht gastou R$ 700 mil em reformas”. Lula afirma que o sítio não é dele; talvez seja do Padim Ciço.

Do Castelo de cartas do PT algumas cartas começam a ser retiradas e embaralhadas pela Justiça. Como disse no início “No Castelo de cartas do PT Lula é a coluna principal, por isso, tanta preocupação em mantê-lo estabilizado para que a estrutura política não rua, não desmorone rapidamente causando danos irreversíveis ao sistema de poder e ao projeto que lhe deu origem”. Leia-se: “O Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, sustentou que o ex-presidente Lula não é investigado e chamou de especulações absolutamente indevidas as menções à pessoa de Lula. O Ministro lembrou que o próprio juiz Sérgio Moro não cita nominalmente o ex-presidente”. Eu disse, ainda, no início deste artigo “Se Lula cair tudo vem abaixo […]” – inclusive o governo de Dilma Rousseff e os seus Ministros. Uma provável delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), líder do governo no Senado, preso na Operação Lava-Jato no dia 25/11/2015 por determinação do Supremo Tribunal Federal, pode ser a carta-coringa que destruirá a coluna principal do Castelo de cartas do PT. A essa altura do campeonato, Lula estará de volta à cidade de Caetés, para de lá, na melhor das hipóteses, assistir à dissolução das suas estruturas políticas. Na pior das hipóteses estará no Presídio da Papuda mentindo para o restante dos presos.

Augusto Avlis

Navegue no Blog  opiniaosemfronteiras.com.br e você encontrará 715 artigos publicados em 14 Categorias. Boa leitura.

Anúncios

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

3 comentários sobre “Castelo de cartas

  1. De todos os líderes populistas, muitos já partiram outros ainda continuam no poder, é o nosso caso com o lula. Qual figura representa junto com Hitler, Nero, Napoleão e outros mais q massacraram o povo?
    quantos mais teremos? Quando
    o homem vai sair acordar? Somos energia portanto somos todos um só.

    Publicado por nair | 06/02/2016, 11:20

Trackbacks/Pingbacks

  1. Pingback: Voltei… | Opinião sem Fronteiras - 02/10/2016

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 145 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: