>
Você está lendo...
Política

Sequestro da decência – 1ª parte

1O senador Aécio Neves (PSDB-MG), em discurso pós-eleitoral, enfatizou que o seu trabalho no Congresso Nacional terá como mote de sustentabilidade o tripé Liberdade, Transparência e Democracia. Como político líder do bloco oposicionista e fiel depositário de 51.041.155 votos (48,36% dos votos válidos obtidos na disputa presidencial de outubro de 2014), Aécio Neves encontrará uma enorme pedreira no meio do caminho e a sua demolição dependerá de bom estoque de explosivos. A nossa Liberdade está ameaçada; a Transparência é nebulosa; a Democracia questionável. Qualquer iniciativa de Aécio Neves na direção do respeito às normas morais, à ética pública e à Justiça parecerá floco de neve derretendo em terreno quente. Fato que preocupa. Vampiros, ladrões, raposas e palhaços continuarão de plantão.

Uma pergunta se faz necessária: Como o Congresso Nacional vai legislar em 2015? A nova legislatura, a começar em 01 de fevereiro, está contaminada pelas denúncias da Operação Lava-Jato. Sem conhecer a lista dos parlamentares envolvidos no Petrolão fica difícil aceitar a representatividade das duas Casas de Leis, Senado Federal e Câmara dos Deputados. Tudo que for votado perderá o sentido de isenção, não terá efeito de lisura pelo fato de boa parte dos políticos estar comprometida com o esquema bilionário de propinas que sangrou a maior empresa estatal brasileira. A imprensa já fala em uma centena de políticos com “rabo preso”. Não falta é corrupto. Não são denúncias feitas ao léo de cima de uma montanha. São provas robustas produzidas nas investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. Estamos diante de um caso estarrecedor, de um processo emblemático.

A teia da corrupção é bem maior do que se imagina, de modo que ela pode estar tecida em outras empresas estatais, a rigor. A Polícia Federal encontrou fortes indícios da participação da quadrilha do Petrolão na Eletrobras, e tudo leva a crer que todas as obras do PAC também estejam no mesmo barco das maracutaias do governo. O ex-diretor da área de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, confirmou em depoimento na CPMI, quando participou de uma acareação com o ex-diretor da área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, na terça-feira, 02 de dezembro de 2014, a corrupção na estatal e comprometeu outras empresas “administradas” pelo governo, ou seja, ratificou parte do que dissera na delação premiada. Paulo Roberto Costa disse que o esquema de corrupção que atingiu o coração da Petrobras existe no Brasil inteiro, em obras de ferrovias, estradas, portos, aeroportos. Não nos causa perplexidade a sua declaração na medida em que se sabe que a corrupção é prática contínua em todas as empresas públicas, em maior ou menor grau, de modo que resta saber quem são as pessoas envolvidas nos escândalos de propinas, sejam elas presidentes da República, ministros, senadores, deputados federais, governadores e outras. Os bandidos de colarinho branco têm rosto e identidade, por isso, precisam ser revelados à nação; autoridades públicas criminosas como qualquer delinquente comum.

A imprensa, sobretudo os comentaristas de política, precisa parar de associar os desvios de dinheiro da Petrobras à formação de Caixa 2 de campanhas eleitorais do PT e dos partidos aliados, PMDB e PP. É um volume de dinheiro que daria para bancar todas as campanhas políticas até 2050, todas as campanhas estudantis para eleger diretórios acadêmicos até 2100, e todas as eleições para Rainha da Primavera até o ano de 2200. A meu sentir, mais da metade do valor surrupiado dos cofres da Petrobras foi parar nos bolsos de muita gente importante do mundo político e da atividade privada. Dinheiro que irrigou a ganância daqueles que não se importam com a desgraça alheia, patifes que enganaram o povo com a falácia do Diabo. Os ladrões da República não podem se considerar acima das Leis e confiantes na impunidade. Volto a frisar que a imprensa também precisa deixar de lado as expressões “suposto desvio”, “suposta corrupção”, “suposto envolvimento”, “suposta autoria”. Sou obrigado a dizer que os bilhões de Reais que os veículos de comunicação recebem anualmente do governo federal na conta de publicidade não são supostos, são comprovadamente verdadeiros, motivo pelo qual leva a mídia a dar “supostas informações” aos brasileiros, “supostos idiotas”.

Que a Justiça tome logo providências para evitar a fuga de algumas ratazanas, e que a quebra dos sigilos bancário e telefônico do ex-presidente Lula e da atual presidente Dilma seja pedida à luz da mínima suspeita de participação de ambos nos atos delituosos da Petrobras. Gente famosa da política enriqueceu ilicitamente com dinheiro público. Quantas fortunas no Brasil não foram construídas a partir de esquemas espúrios? A verdade é que boa parte do dinheiro roubado dos cofres da Petrobras já sumiu com a mesma velocidade como some a manteiga em focinho de gato. A despeito dos esforços empreendidos pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal para repatriar as quantias depositadas em paraísos fiscais (Suíça e outros) o dinheiro que voltará para o Brasil será muito pouco se comparado ao volume roubado, mas, já é o começo da luta do bem contra o mal. Aonde vai parar tudo isso?

Augusto Avlis

Navegue no Blog  opiniaosemfronteiras.com.br e você encontrará 604 artigos publicados em 14 Categorias. Boa leitura.

Anúncios

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

2 comentários sobre “Sequestro da decência – 1ª parte

  1. Bem aonde vai parar, tá difícil de saber. O interessante é que toda vez que se toca no assunto de má gestão,começa a propaganda sobre o golpe militar, para desvirtuar o foco das denuncias. No jornal hoje, a dona Dilma fez igual ao seu mestre, chorou em frente as câmeras de tv, achando que os brasileiros vão ficar com peninha da guerrilheira Vana. Oh dó!!! Quero mais saber qdo ela e seu mestre, irão para a cadeia. Será que vai?

    Publicado por Nair Santos | 12/12/2014, 00:05

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 157 outros seguidores

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: