>
Você está lendo...
Política

Curta e grossa – 5ª parte.

Curta e grossa – 5ª parte.

DESCRÉDITO TAMBÉM É CRENÇA. O soro da insanidade alimenta as veias do Autoritarismo. In verbis. A elite da comunicação (Indústria Cultural) vem praticando nos últimos tempos uma nova modalidade de terrorismo, o “Terrorismo Informacional”. Por conceito, notícia é aquilo que ainda não sabemos, quando conhecida se transforma em informação.

Esse é o ponto nevrálgico a que queremos chegar. A imprensa tradicional (desisti de chamá-la de velha imprensa), por imposto dever de ofício, vem distorcendo as notícias do cotidiano, e uma vez fazendo isso, sem qualquer admoestação, “constrói as informações” a seu bel-prazer segundo o estabelecido em sua cartilha ideológica. Estamos diante de um grande banquete de absurdos, onde são servidos à população coquetéis de desserviços.

Nesse cenário, eu posso afirmar com a maior segurança que a mídia composta pelo consórcio dos meios e veículos de comunicação (com ideias comuns) está praticando atos de deslealdade contra o público que a sustenta, porque a audiência não é gratuita. Alguém duvida? Como jornalista juramentado eu sinto vergonha de tudo isso que está acontecendo sob olhares complacentes.

Além de não contribuir para a formação de juízo de valor calcado na realidade, essa abjeta imprensa tradicional, seguindo seu viés político-autoritário, trabalha a produzida desinformação para conquistar cabeças vazias e nelas inserir opiniões que deseja. E aí reside o perigo, senhores do poder, porque as regras do jogo mudam a cada ventania das conveniências.

Na medida em que as palavras têm poder; os pensamentos as reciclam; a escrita ratifica e documenta. Vítimas de factóides, os consumidores de notícias carecem de discernimento na hora de separar o joio do trigo. Não os culpo por vários fatores, dentre os quais se destacam: a falta de formação sócio-cultural, desinteresse pelas pesquisas sérias, carência de estudos temáticos, enfim, outros elementares motivos são incentivadores na hora desses consumidores “comprarem” porcarias nos supermercados televisivos.

Há clara intenção desses mercados de desgraças e macabrismos de alterar o sentido (padrão) das coisas, no seu sentido amplo. Conteúdo e forma nunca foram tão desvirtuados, bem como as notícias aviltadas. O Brasil é um imenso pomar de notícias maduras, no entanto, quem as colhe – repórteres e jornalistas irresponsáveis – forçam o seu apodrecimento antes de oferecê-las ao público. Plim Plim.

Augusto Avlis

Navegue no Blog  opiniaosemfronteiras.com.br e você encontrará 1.051 artigos publicados em 16 Categorias. Boa leitura.

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 163 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: