>
Você está lendo...
Política

Dilma lança pacote de medidas contra a corrupção

1Em solenidade no Palácio do Planalto, com plateia formada por membros do governo, com a obrigação de aplaudi-la, a presidente Dilma Rousseff, com cara de louca varrida, fez a entrega simbólica ao Congresso Nacional do “Pacote anticorrupção”, embrulhado para presente. Nele, há um conjunto de medidas propostas pelo Poder Executivo com o objetivo de “inibir” e “punir” irregularidades na Administração Pública. Um infeliz momento para dar um “presente de grego” ao povo brasileiro; dá a impressão de que o governo foi pressionado. O atual governo não tem credibilidade para tal, está mergulhado até o pescoço nos escândalos da Petrobras, de modo que não tem moral para professar ética e honestidade. Sem ser um exemplo de probidade, a quem o governo quer iludir? Blá, blá, blá, blá… O blá, blá de sempre. Falácia, puro exercício de falácia. Depois da casa arrombada a presidente Dilma Rousseff vem apresentar à nação uma tranca para as portas e janelas por onde entram e saem os ladrões do dinheiro público. O pacote de medidas contra a corrupção não resolve o problema da corrupção no Brasil porque ela, a corrupção, dominou o Estado Brasileiro, está entranhada em todas as áreas, em todos os órgãos e em todos os setores públicos – a corrupção foi devidamente institucionalizada pelo Partido dos Trabalhadores a partir de 2003, primeiro ano de mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o “Lulinha paz e amor”. A Operação Lava-Jato está provando isso a cada investigação. O presidente do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), e o presidente da Câmara, deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), inexplicavelmente, não marcaram presença na solenidade. Por quê? A política brasileira ainda reserva muitas surpresas.

A postura do governo federal de querer apresentar trabalho – depois das manifestações deste último domingo, 15 de março de 2015, que levaram mais de três milhões de pessoas às ruas de todo o país – é prova de desespero, é prova de que realmente deixou de fazer o que deveria, é prova de que deve alguma coisa, é prova de que tem culpa no cartório, e, talvez, uma forma de tirar um pouco do peso que paira sobre os seus ombros. Essa medida, por exemplo, não tem efeito prático, porque outros pacotes anticorrupção estão nas gavetas do Congresso Nacional; ideias mirabolantes não faltam. O discurso político empregado pela presidente Dilma Rousseff na solenidade de hoje no Palácio do Planalto foi uma resposta às manifestações populares, exatamente como fez nos meses de junho e julho de 2013 – retórica, simplesmente retórica de palanque, nada mais. Se o governo quer realmente combater a corrupção, então que comece por ele próprio, que a presidente se deixe investigar no processo do Petrolão, que autorize a quebra do sigilo bancário e telefônico, não só dela, como de todos os seus 39 ministros. Há ratos que escaparam ilesos das ratoeiras, o pior, é que conseguiram levar bom pedaço de queijo para as tocas secretas.

Os principais pontos do “Pacote anticorrupção”: Criminalização da prática do “Caixa 2” (O PT jura que só recebe doações oficiais, mesmo que o dinheiro tenha origem nas corrupções que promove); aplicação da ‘Lei da Ficha Limpa’ para todos os cargos de confiança no âmbito federal (e para os cargos de ‘não’ confiança?); alienação antecipada dos bens apreendidos após atos de corrupção para evitar que não sejam usados por agentes públicos e possam ser vendidos por meio de leilão (inclusive aqueles que estão em nome de laranjas, limões e tangerinas?); responsabilização criminal de agentes públicos que não comprovarem a obtenção dos bens (sem julgamento?); confisco de bens dos servidores públicos que tiverem enriquecimento incompatível com os ganhos (E se o servidor público acertar na Megasena ou ganhar herança milionária?). O governo acha que somos idiotas, o problema não está na falta de Leis, o problema está nos homens, no seu DNA desonesto. Tudo aquilo que o governo federal diz tem uma conotação de falsidade, apresenta a mentira como verdade absoluta – indiscutível a sua capacidade de enganar. Todo esse falatório, todo esse barulho produzido pelas vozes da esquerda, dissemina-se inconscientemente em boa parte da sociedade, argumentos articulados que visam persuadir os indivíduos e convencê-los.

“É o ladrão consolando o roubado, é o assaltante confortando o assaltado”.

Augusto Avlis

Navegue no Blog  opiniaosemfronteiras.com.br e você encontrará 639 artigos publicados em 14 Categorias. Boa leitura.

Anúncios

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 159 outros seguidores

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: