>
Você está lendo...
Política

Julgamento do Mensalão – Ratos à venda

titulorats

A corrupção no Brasil é sistêmica e endêmica, sendo ela dever de ofício de político brasileiro, assim como missão precípua dos órgãos governamentais, com a devida vênia dos seus mandatários. Corriqueiramente tenho falado, e escrito, sobre essa questão, a ponto de me expor demasiada e perigosamente, porque não sabemos quais reações podem advir desse processo. Ficar calado, e de mãos amarradas, também não resolve o problema. Falta-me tempo para escrever sobre outros temas de interesse diverso. Debruço-me na temática política e não saio mais. Estou enlouquecendo sem que perceba. Sou surpreendido a cada quarto de hora com notícias estapafúrdias provenientes do mundo político nacional, ou melhor, do submundo da politicagem – política nojenta, abjeta, reles e mesquinha, que objetiva interesses pessoais, ou troca de favores em benefício próprio –, e aí fico num mato sem cachorro, querendo fugir do assunto, mas o dever de patriota e cidadão me estimula a extravasar o dom da escrita, na esperança de que consiga formar opinião, juízo de valor e despertar consciências para o cenário degradante no qual está inserido o Brasil e as nossas Instituições, que o compõem. Os recentes casos de corrupção na esfera pública, que pipocam na mídia de um modo geral, dão a exata dimensão da gravidade dos fatos.

Politicagem

Politicagem

Temos uma farta literatura disponível na imprensa, e demais veículos de comunicação, acerca das transgressões de ordens, da indisciplina e dos desmandos políticos que deságuam na prática continuada da apropriação indébita de dinheiro público. Não é de hoje que devassos engravatados assaltam o erário. Mas a coisa está fugindo ao controle do Estado e a cada dia que passa fica impossível estancar a hemorragia. O julgamento do Mensalão, Ação Penal nº 470, pelo Supremo Tribunal Federal – que neste último domingo (02 de dezembro de 2012) completou 04 meses –, revelou aos brasileiros o lado obscuro da política e dos seus artífices, fez emergir do lamaçal de interesses espúrios as práticas criminosas para a sua materialização, mostrou o quanto é fácil a formação de bandos e de quadrilhas nas sombras do poder constituído, comprovou que indivíduos sem escrúpulos dão as costas para a sociedade e se locupletam sorrateiramente num verdadeiro festim licencioso. Os ratos conseguem roer as Instituições e delas se assenhorear para reprodução da espécie, em série. Além do Mensalão, estão na pauta do dia a CPI do Cachoeira e a Operação Porto Seguro. O ano de 2012 acaba como começou, envolto na sujeira palaciana.

Os órgãos de repressão e os institutos afins estão promovendo a autópsia no corpo criminal, porém, os procedimentos utilizados nos exames de praxe concluíram que ele está mais vivo do que se imagina, com inúmeras ramificações, cujas vias secundárias e os ramais criminosos dificultam determinar as origens das “doenças comportamentais” e avaliar as consequências presentes, com a rapidez e a eficiência necessárias. A Polícia Federal está fazendo a sua parte. Até quando? Enquanto procuramos a resposta para esta pergunta, a “bancada do crime”, formada por parlamentares descompromissados com a ética pública, quer tirar do Ministério Público a prerrogativa de promover investigações criminais. Segundo o Promotor de Justiça Roberto Aparecido Turin, caso a PEC nº 37 (Proposta de Emenda Constitucional), que tramita na Câmara dos Deputados, seja aprovada, concedendo às Polícias Estaduais e Federal a exclusividade dos procedimentos de investigação, não só o Ministério Público perderia poder, teria o seu papel totalmente restrito, como a sociedade sofreria grandes prejuízos e ficaria desprotegida por decorrência. A quem interessa transformar o Ministério Público em um órgão com perfil administrativo e meramente burocrata?

A Operação Porto Seguro foi deflagrada pela Polícia Federal na sexta-feira, 23 de novembro de 2012, com o fim de desarticular uma organização criminosa que se infiltrou no governo para a obtenção de “pareceres técnicos fraudulentos” com o propósito de beneficiar interesses privados, sejam pessoas como empresas, que levavam vantagens na realização de negócios milionários no governo federal e junto a outros órgãos públicos. Chuva de “Ex”: A ex-secretária do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Rosemary Nóvoa de Noronha, é investigada por tráfico de influências, que também usou o seu prestígio para obter cargos em empresas públicas para sua filha e até para o ex-marido. Só não temos ex-ladrões, ex-roubos, ex-espertos, ex-crimes, ex-falcatruas, e outros “Ex”. Órgãos públicos envolvidos no escândalo e alvo de “buscas e apreensões”: Agência Nacional de Águas (ANA), Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Advocacia-Geral da União (AGU), Ministério da Educação (MEC), Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (EBCT), Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), além de Partidos políticos, sobretudo o PR de Valdemar Costa Neto. Na rota dos crimes e delitos públicos as digitais do Lula aparecem sem a necessidade de exames mais detalhados como datiloscopia. Intriga-me o fato de nenhum Tribunal até agora não ter conseguido condená-lo, em que pese outra realidade, a de nunca ter sido indiciado, ainda que provas circunstanciais o envolvam diretamente nas organizações criminosas.

“O erro do PT foi imaginar que, para mudar o país, era necessário ‘ocupar o Estado’. […] A confusão entre o público e o privado, nós não podemos aceitar. Esse é pilar fundamental da crença do PSDB. Uma coisa é o governo, outra coisa é a família. A confusão entre o interesse de família e o interesse público leva à corrupção, um cupim da democracia. […] Não, não é sobre a Operação Porto Seguro, não, é geral. Não gosto de entrar em detalhes e não sou da investigação, mas é geral, não dá certo. O maior problema do Brasil, tradicionalmente na nossa cultura política, é o clientelismo e o patrimonialismo, confusão do público com o privado. Isso vem de sempre, desde o império, a colônia, mas tem de acabar. Lula tem dito que tirou milhões da pobreza; tirou porque nós, do PSDB, mudamos o Brasil. […] O governo Lula deixou contribuição negativa à política”.

Fernando Henrique Cardoso

roedores

A Ação Penal nº 470, processo do Mensalão, a meu sentir, é a ponta do iceberg e portanto não deve sofrer solução de continuidade, doa a quem doer, envolva a quem envolver. E tem mais ataques de roedores políticos: “A Polícia Federal vai investigar as denúncias feitas por João Batista Vieira Machado, dono da JJ Logística Empresarial, sobre desvios de recursos públicos do Programa Segundo Tempo, do Ministério do Esporte, para políticos em Brasília, Santa Catarina e Rio de Janeiro”. “CPI do Cachoeira – PT defende relatório apresentado por Odair Cunha”. “Jersey considera Maluf culpado por desvio de US$ 22 milhões”. Com notícias como essas, sinceramente, dá para ser feliz? Outro fato estarrecedor, as nossas Casas de Leis se transformaram em Delegacias de Polícia, de sorte que não se legisla mais nesse país, só se pensa em instaurar CPIs – Comissões Parlamentares de Inquéritos. O Brasil está lietralmente numa cápsula de congelamento. No calor das tocas, a produção de ratos “Made in Brazil” está batendo recordes, sob as complacentes Leis brasileiras.

Leitura recomendada (clique em): Livro Polítitica

Augusto Avlis

Anúncios

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 152 outros seguidores

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: