>
Você está lendo...
Sexo

Sexo. O papo continua…

Sexo. O papo continua…

Na verdade, a continuação do papo sobre sexo, neste espaço reservado, deva-se a um fato: Se conto essas histórias na Crônica anterior (Sexo oral – É a vez dele), com certeza ela ficaria muito extensa e demorada a sua leitura, o que poderia atrasar o começo da relação amorosa de algum leitor; prova da minha compreensão. Inspiração, tesão e vontade de defecar, a gente aproveita na hora, caso contrário, tudo passa, e então, já era. O corretor de texto do meu notebook pediu para substituir a palavra ‘tesão’ por ‘excitação’. Falsa moral até na tecnologia informatizada. Vamos ao que interessa.

Cada mulher esboça uma reação diferente quando faz, ou melhor, quando recebe sexo oral. Umas fingem-se de mortas, outras riem sem parar, outras cruzam as pernas sufocando o pobre coitado do chupador, outras tremem como vara verde, outras desmaiam ou morrem de verdade, outras dizem categoricamente: – Acabou cara, sai logo daí, cai fora. Gozando, ou não. Conheço mulheres que dizem sentir ‘gastura’, uma espécie de aflição, agonia, uma coisa que irrita; um prurido, comichão, arrepio. Já ia me esquecendo, aquelas que gozam, de verdade, sentem uma vontade danada de mijar logo em seguida, perdão, de fazer xixi, porque quem ‘mija’ é homem e não mulher. Uma questão de delicadeza. Outro dia, se não corro levava um esguicho de urina na cara, mais conhecido como “chuva de prata”.

Fingir é com elas, sobretudo quando querem se livrar do parceiro o mais rápido possível, independente do motivo: mau hálito, o popular cecê (mau cheiro nas axilas), chulé, existência de badalhoca na periferia do ânus, enfim, umas afirmam que sabem enganar o homem quando simulam o gozo; o pior é que tem babaca que acredita nisso. Um conselho para os menos experientes: todo ser humano, eu disse todos, no ato do orgasmo, dá várias piscadelas; explico melhor: piscadelas não se referem à ação de fechar e abrir rapidamente os olhos da cara, eu disse categoricamente com todos os pingos e is, que são as piscadelas que o CU, perdão novamente, que o ânus dá quando a pessoa está gozando. Para se comprovar isso, basta enfiar a falange do dedo mindinho lá e sentir as “mordidinhas”. Consultoria sexual gratuita, aproveitem. Então, viram como é fácil? Homens, não se deixem enganar pelas fêmeas. Uma recomendação: aparem bem as unhas porque na hora podem acontecer surpresas agradáveis.

Por falar em surpresas agradáveis, um amigo próximo ainda não teve o prazer de experimentá-las. Certo dia foi almoçar com a sua amada num restaurante chique (coisa de pobre) e o casal pediu uma suculenta macarronada à moda da nona. Serviram-se nababescamente quando, de repente, eis que um cabelo surge no prato desse meu amigo, antes de terminada a refeição. Como sei que ele sempre teve algo de fresco, não perdeu tempo: escandalosamente chamou pelo gerente da casa e tascou-lhe um esporro daqueles. Resumo da ópera; o cozinheiro foi mandado embora com todas as honras italianas. Esse meu amigo sentiu-se vingado, pagou a conta e foi embora; só que naquele dia não conseguiu comer a sua amada porque ela ficou com pena do coitado do cozinheiro e ficou sem clima para ter relações sexuais – eu acho até que ela queria dar pra ele, o cozinheiro. Passada uma semana, cumprindo agenda periódica de trepadas, o meu amigo leva a mesma amada a um motel da cidade, não tão chique como o restaurante italiano. Para seu azar, o bendito cozinheiro, ainda desempregado, também entrara no mesmo motel, gastando parte da sua indenização com as putas do bairro. O cozinheiro o reconheceu, esperou o momento oportuno para abordá-lo. O cozinheiro pôs-se a olhar pelo buraco da fechadura da porta do quarto onde estava esse meu amigo, viu que o dito cujo estava com a cara mergulhada e a boca enfiada na ‘cona’ cabeluda da sua amada; daí arrombou a porta e vociferou: – Seu filho da puta, você me fez perder o emprego por conta de um simples cabelo na macarronada e agora lhe pego com a boca lotada de pentelhos. O meu amigo, com a fleuma de bom babaca, mandou essa: – Espera aí meu amigo; cada coisa no seu devido lugar. Mas, se eu encontrar um fio de macarrão aqui nesta buceta eu dou uma porrada nela. Descobri mais tarde que a gostosa pentelhuda se ofendeu, mandou o meu amigo catar coquinhos e em seguida deu para o cozinheiro, que me confirmou a história no mesmo restaurante donde foi demitido.

Continuando com as histórias verdadeiras, lembro-me de uma que o meu pai me contou, poucos dias antes de me casar com a atual, única e maravilhosa mulher. Vamos parar com esse papo mole. Disse ele: Numa pequena cidade do interior do Estado do Rio de Janeiro, São João da Barra (que, a propósito, é a cidade de nascimento do meu pai), uma família tradicional, extremamente religiosa, tinha duas filhas solteiras. Geralmente uma dessas filhas é loira e a outra morena; e eram assim, pra variar. Pois bem, foram educadas rigidamente, nos padrões da época, impostos por uma sociedade castradora, honesta e totalmente fiel aos seus princípios cristãos. A preservação da virgindade das jovens era seguida à risca pela família, sobretudo pelos pais, que a defendiam a qualquer custo. Ai de quem ousasse romper um hímen; ou seria castrado, ou casaria com a rompida sob ameaça de um calibre 38 – muito sofrimento causado ao pobre homem só pelo fato de esfacelar a membrana que fecha parcialmente a vagina. Mas, já dizia o meu amigo Juca Chaves: – Água de morro abaixo; fogo de morro acima; e mulher quando quer dar, ninguém segura. Moral da história: as duas resolveram dar. A loira perdeu o cabaço, o pai descobriu, e foi expulsa de casa sem se casar, porque o comedor foi o padre da cidade e o caso foi abafado a pedido do Arcebispo. A loira entrou para o convento, motivada pelo trauma. A morena, como só fazia sexo anal, recebeu as bênçãos, casou virgem, de véu e grinalda. Esta última corneou o marido até os seus últimos dias. Meu pai comentou que descobriu que as duas não gostavam de fazer sexo oral porque consideravam pecado grave, uma vez que a boca deveria ser usada tão somente para a pessoa se alimentar e rezar aos pés dos santos, segundo ensinamentos.

E por falar em boca, recordo-me de outro ‘causo’ ocorrido em uma cidadezinha do interior de Minas Gerais. Como tem histórias lá praquelas bandas! Ah, isso tem. Foi assim que aconteceu: Depois dos três casamentos, que aconteceram juntos, as três irmãs foram passar a lua de mel na fazenda da família. A mãe delas, cumprindo o papel de conselheira, prescreveu algumas recomendações: – Minhas queridas e amadas filhinhas, a mamãe não consegue esconder tamanha felicidade; é chegado o grande momento pelo qual vocês esperaram tanto. A primeira noite de uma mulher é para nunca ser esquecida. Sejam carinhosas com os seus maridos e facilitem as coisas para eles. Não façam o que a mamãe fez há quase 30 anos, achar que os testículos entravam junto com o pênis; por conta disso, permaneci virgem por mais 15 dias porque o saco do seu pai ficou mais inchado do que fruta-pão quando passa do ponto de colheita. As filhas ouviam atentamente os conselhos da mãe preocupada, que continuou: – E pra terminar quero que vocês saibam que a mamãe permanecerá acordada por toda a noite e se precisarem de alguma coisa é só dar o sinal que estarei pronta para atendê-las. No dia seguinte, no café da manhã, quando as quatro mulheres estavam a sós, a mãe cautelosa puxa a conversa: – Como vocês não me acionaram durante a noite fui conferir de perto só para ver se tudo estava correndo bem com vocês. Passei pela porta do quarto da Maria e escutei os sussurros do casal e fui direto para a porta do quarto da Joana e também percebi que estava tudo bem porque fazia juras de amor. Porém, não escutei nada ao encostar o ouvido na porta do quarto da Ana. Houve algum problema minha filha? A Ana, com o semblante corado, disse à mãe: – Mamãe você mesma não me ensinou que falar de boca cheia é falta de educação?

Por essas e outras que devemos respeitar as intimidades dos casais. Nos seus momentos de mais pura afeição, passam a se conhecer de fato, e, com o passar dos anos, tendo as relações se fortalecido, ir ao banheiro fazer as suas necessidades diárias com a porta aberta e soltar gases mortíferos na presença um do outro, sobretudo quando estão “fazendo amor”, são atos corriqueiros. O importante, além de curtir o cheiro agradável dos sonoros peidos, é confessar de coração aberto: – Amor, eu não consigo mais viver sem você.

Estou devendo dois conceitos: 1º) Badalhoca: merda seca que fica presa aos pentelhos do ânus. 2º) Cona: terminologia portuguesa empregada para designar a vulva, ou seja, outro nome que se dá à buceta.

Nota: Prefiro “buceta” a “boceta”, por uma razão deveras simples, fico mais próximo das minhas origens portuguesas. Além mar inexistem preconceitos sexuais.

Augusto Avlis

Anúncios

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 152 outros seguidores

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: