>
Você está lendo...
Consultoria & Marketing

Best Seller – 1ª parte. Procurando chifre

Best Seller – 1ª parte

Procurando chifre

Tenho a sensação que um dia irei me tornar um Best Seller. Não sei precisar quando, e quanto tempo demandará. Ser destaque entre milhões de mortais, só quando se é merecedor das graças e da luz divinas. Bacharel em Comunicação Social, em 18 de julho de 1986, com habilitação em Jornalismo fui obrigado, pelas circunstâncias impostas pela vida, a manter arquivado o canudo. Naquela altura, já gozava de considerável prestígio como Executivo da área de Marketing em uma multinacional. Longe de ser apontado pela mídia da denúncia como o mais novo “marajá da atividade privada” – funcionário com vencimentos muito acima do normal é marajá político e não eu –, por opção, resolvi ficar onde estava e usar muitos dos ensinamentos acadêmicos no exercício da profissão. Tem tudo a ver; até porque quem procura chifre na cabeça de cavalo acaba encontrando; se bem que outras cabeças disponíveis estavam naquele momento. Era safra de bons chifres – Brasília bateu recorde de produção.

Exumei o diploma de jornalista. Chegou a hora. A aposentadoria facilitou o processo. Nunca me passou pela cabeça ganhar dinheiro com literatura ou fazer fama e, sobretudo, estou persuadido de que é barra entrar neste clube admirável. A morte do jornalista da TV Globo, Tim Lopes, foi outro fato considerado na minha resolução, conforme já disse. Os acontecimentos que se sucederam, ao caso Tim, serviram como estimulantes fecundos, tanto que comecei a escrever matérias sobre vários temas, mesmo desvinculadas de compromissos editoriais ou comerciais. Talvez nasça um livro a partir daí. Já penso num título: “Opiniões de Gaveta”. Não é definitivo. Nada é definitivo, senão os sonhos. Já disse isso em outra oportunidade.

Política e violência foram assuntos que ocuparam maior espaço neste meu vôo solo até agora. Não acho que devam ser negligenciados. A população se revela carente de outras informações a respeito, interpretadas diferentemente da mídia opinativa. Entretanto, uma pausa para recarregar as baterias com temática light é bem vinda. O chamado editado no jornal O GLOBO, caderno Boa Chance, em um desses domingos de primavera, convenceu-me desta necessidade. Trata-se de um projeto “Seja coautor de um livro” realizado em conjunto com a ABRH-RJ, Associação Brasileira de Recursos Humanos, e a Gamalfa Consultoria, que abre espaço para os escritores emergentes – vamos assim chamá-los – que sonham com a publicação de uma de suas histórias. Pois é justamente isso. Serão selecionadas as melhores histórias vividas por profissionais ao longo da sua carreira; os episódios marcantes que proporcionaram crescimento na empresa ou na vida privada; alguma situação inusitada, e até hilariante, enfim, histórias realmente interessantes vividas e contadas no universo do trabalho. Ficam de fora as cantadas virtuais, os assédios sexuais importunos e as trepadas dadas em horário de almoço com as secretárias dos outros. O que não falta é trabalho dentro de um universo de privações intelectuais.

Pois bem, a oportunidade aí está. Contato feito, mais informações me foram passadas por e-mail. Porém, o que pesou positivamente na balança foi o fato de ter que elaborar textos pitorescos, não se tratando, portanto, de artigos técnicos. Sem dúvida, terei mais de um caso a contar na classificação de “pitoresco” e me foi concedido um prazo aceitável. Pretendo respeitá-lo. Mas, ressalto que o primeiro “case” trabalhado (Carta velada), integrado ao presente documento, retrata o drama vivido por um Executivo, funcionário de uma multinacional, líder no segmento de refrigerantes, no momento do seu desligamento da empresa. Obtive a permissão formal do seu autor para divulgar, com fidelidade, os nomes das pessoas e das instituições citadas no documento, evitando dessa maneira, eventuais exposições desnecessárias – a gente tem que estar preparado pra tudo, ao contrário das empresas que pararam no tempo e no espaço.

Não estou acostumado a abrir muitos parênteses, colocar hiatos em demasia ou fazer citações em aspas – o melhor é não abrir para não ter que fechar. O mais importante nessa história é que, ao custo de apenas R$ 3,00, que estavam perdidos no meu bolso, pude comprar o jornal e dele extrair uma excelente oportunidade para revelar, com honestidade santificada, o meu outro lado de “Observador da Administração Moderna” – e saudosista da administração antiga.

Abrindo um parêntese (olha só!), peço, humildemente, perdão ao Spencer Johnson, MD. Se ele souber que estou criticando, no bom sentido – num texto real e prático, autorizado por quem já viveu durante três décadas todas aquelas experiências em grandes empresas –, o seu livro (Best Seller) “Quem Mexeu no Meu Queijo?”, certamente não vai gostar nada. Tão logo este meu livro “O gato que comeu o rato, que mexeu no queijo” esteja pronto, será, certamente, divulgado no mundo todo como mandam o esquema e o figurino de uma boa editora comercial. Vou convidar também o Spencer Johnson para o seu lançamento, acompanhado do devido “MD” – lógico. Vale a pena tentar, sabendo de antemão que no caminho aparecerá uma quantidade considerável de espíritos de porcos tentando me demover da idéia. Os exemplos citados na “Carta velada” demonstram isso. Trata-se de um material exclusivo, sem cortes e sem adaptações. A supressão de qualquer parágrafo comprometeria a compreensão global e afetaria sobremaneira a proposta do “case”. Deixei de beber duas cervejas naquele domingo, mas foi melhor assim.

Augusto Avlis

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se aos outros seguidores de 160

%d blogueiros gostam disto: