>
Você está lendo...
Política

“Minha Casa” mobiliada!

DilmaO governo federal lançou anteontem, quarta-feira, 12/06, uma “linha extra de crédito” de R$ 18,7 bilhões para financiar a compra de eletrodomésticos e móveis por beneficiários do programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida”. A linha extra de crédito, que será administrada pela CAIXA Econômica Federal, terá uma taxa de juros anuais de 5%, com limite de crédito no valor de R$ 5.000,00 por família beneficiária, cujo pagamento dar-se-á num prazo de até 48 meses. O dinheiro para este “programa paralelo”, batizado pelo criativo governo de “Minha Casa Melhor” sairá do Tesouro Nacional, portanto, um pedaço da nossa suada grana está no meio da benesse eleitoral. Agora, sair da CAIXA e do Banco do Brasil todos nós sabemos que o dinheiro sairá com juros extremamente atrativos, porém, como serão os controles quanto à sua aplicação na ponta é uma das muitas dúvidas. Será que o destino dos R$ 5.000,00 será mesmo para a compra de eletrodomésticos e móveis? As Notas Fiscais (cópias) das compras desses bens de consumo duráveis serão apresentadas à CAIXA, ao Banco do Brasil, ou enviadas à Brasília, comprovando a seriedade do programa? Quais as garantias exigidas pelos bancos? O Banco do Brasil participará do programa “Minha Casa Melhor” como uma espécie de agente repassador da linha extra de crédito, para isso disponibilizará a sua estrutura de rede de agências – sorte que o Henrique Pizzolato não está mais no BB. A família beneficiária terá que solicitar aos bancos um cartão magnético exclusivo para acessar o financiamento. Outra dúvida martela a minha cabeça extravagante: ora, se pairam denúncias sobre os programas do governo federal, “Bolsa Família” e “Minha Casa, Minha vida”, será que o “Minha Casa Melhor” também deixará a “Casa Brasil” pior do que já está?

Ainda que o governo federal assuma, mais uma vez, o compromisso de manter as contas públicas em perfeito controle, as estatísticas mostram que o cenário é cada vez mais preocupante. O Ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro (PP/Paraíba) disse aos jornalistas presentes no lançamento da linha de crédito extra, programa “Minha Casa Melhor”: “O que eu posso dizer é que o Tesouro Nacional tem absoluta convicção e tranquilidade que não haverá comprometimento do Superávit Primário”. Superávit Primário é a economia que o governo faz para pagar juros da dívida pública. Pela primeira vez, em 2012, a dívida pública brasileira atingiu a marca histórica de R$ 2 trilhões e, segundo o que divulgou a Secretaria do Tesouro Nacional, continuará crescendo em 2013, com previsões de chegar à impressionante casa dos R$ 2.240.000.000.000,00 (R$ 2,24 trilhões), portanto, as contas do governo federal não sairão do vermelho em 2013. Para se ter um ideia da gravidade do problema, esta cifra é mais do dobro do que o governo federal apurou com impostos + tributos em 2012, contabilizando o total de R$ 1,02 trilhão de arrecadação (também recorde histórico). Quem pagará a diferença?

“A presidente Dilma Rousseff jamais vai permitir que volte a inflação. […] Os sobressaltos na economia não levarão o Brasil a sair do caminho do crescimento e da distribuição de renda”.

Lula, presidente emérito do Brasil, em Canoas – RS, nesta quinta-feira, 13/06.

“O problema não é ter fome. É não ter comida, é não ter cidadania. Distribuir comida não enche a barriga de ninguém. Sem paternalismo e assistencialismo, através da participação e do trabalho, o povo quer e deve exercer sua cidadania”.

Dom Mauro Morelli, bispo emérito da Diocese de Duque de Caxias e São João de Meriti, RJ.

Sempre que a oportunidade permite, afirmo que o paternalismo pode revelar uma tendência a disfarçar o autoritarismo sob a forma de proteção. O assistencialismo pressupõe favores e ajudas constantes, incessantes, inibindo o indivíduo de participar, com o seu trabalho, da construção de um país livre, próspero e soberano. O povo clama por oportunidade, afastando e exorcizando o fantasma da subserviência.

Augusto Avlis

Anúncios

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 154 outros seguidores

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: