>
Você está lendo...
Fatos em Foco, Política

Dia Mundial do “Meio Ambiente”

meio ambienteA Assembleia Geral das Nações Unidas criou o “Dia Mundial do Meio Ambiente” no ano de 1972 (há 41 anos), como marco de abertura da Conferência de Estocolmo, Suécia, sobre Ambiente Humano. Esta data, desde então, é comemorada oficialmente todo o dia 05 de junho. Estabelecendo o Dia Mundial do Meio Ambiente, a Assembleia Geral das Nações Unidas tinha como objetivo chamar a atenção dos países para o problema da preservação ambiental e deles cobrar ações políticas que levassem à conscientização das populações. Quatro importantes pontos tornaram-se pensamentos expressos das campanhas: 1º Ressaltar o lado humano das questões ambientais; 2º Qualificar as pessoas no sentido de se tornarem “Agentes Ativos” do desenvolvimento com sustentabilidade; 3º Mudar atitudes quanto à utilização dos recursos de que dispomos, promovendo o entendimento de todos para que percebam que as fontes não são inesgotáveis, portanto têm limitações, de modo que é imperativo administrar para não faltar; 4º Estabelecer parcerias governamentais com a finalidade de garantir um tempo presente mais seguro e próspero para o Planeta, onde os povos tenham a oportunidade de desfrutá-lo com melhor qualidade de vida, e que, através dessas participações, garantam este mesmo direito para as futuras gerações. A raça humana depende disso para a sua preservação.

Não temos razões para comemorações, tanto que a própria mídia em 2013 não deu a devida importância ao assunto – discretos comentários e, como sempre, os espaços foram tomados por temas sobre política (corrupção sistêmica e endêmica), violência generalizada (urbana e doméstica), mazelas da economia, desgraças internacionais, intolerância humana. No passado recente, o romantismo filosófico dava o tom rosado nas comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente, prova disso foi o tema central em 2009: “Seu Planeta precisa de você – Unidos contra as mudanças climáticas”. Alguém se lembra? Tal proposta refletia grande preocupação quanto às reais mudanças climáticas que há tempos vêm provocando danos irremediáveis ao Planeta, com culpa creditada aos países desenvolvidos, sobretudo às grandes corporações, que não diminuem a emissão de gases poluentes, ainda que eles mesmos sejam diretamente afetados. Enquanto os líderes mundiais não se conscientizarem que “dinheiro não se come”, e que para a sua sobrevivência precisam extrair alimentos produzidos pelos três principais elementos da natureza, terra, água e ar, a questão da preservação ambiental continuará em planos mais baixos e desprezíveis na escala de prioridades. No próximo dia 13 o evento Rio + 20 fará aniversário de 01 ano. Será que algum simples mortal traz esta data na cabeça? Não quero entrar no mérito do acompanhamento da agenda internacional de intenções, seria demais para o meu cérebro!

O dia 05 de junho é uma data como outra qualquer, de sorte que os rumos que a humanidade está tomando não a credenciam a fazer qualquer tipo de alusão ao meio ambiente, ao seu habitat natural – demonstrar preocupação é ato hipócrita. O que me parece, e acho que pode virar conceito formado, é que “o Planeta Terra está para o homem assim como o couro está para a cobra”, ou seja, em algum momento terá que ser trocado por um novo. A questão se agrava quando percebemos que os indivíduos continuam reféns de governantes tresloucados, despreparados, descompromissados, incompetentes e analfabetos, que estão espalhados pelos quatro cantos do mundo. Por aqui, nas terras de Cabral, um Doutor Honoris Causa, de nome Luiz Inácio Lula da Silva, coleciona títulos honoríficos concedidos por universidades de dentro e fora do país – quantificá-los seria uma ofensa e desonra para aqueles que realmente os merecem. O eminente Lula se destacou na área da ciência, com especificidade Ambiental, mas pode usar a abreviação “Dr. h. c. mult.” – Doutor Honoris Causa Multiplex, porque é uma pessoa honrada com mais de um título de Doutor Honoris Causa, além de ser Doutor em cacagas políticas com destacada excelência. Comprove abaixo:

Augusto Avlis

Anúncios

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 152 outros seguidores

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: