>
Você está lendo...
Fatos em Foco

Rio de Janeiro – 450 Anos + 02 dias

1O militar português Estácio de Sá (1520/1567) fundou a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro no dia 01 de março de 1565. Pouca gente sabe disso. Foi o primeiro governador-geral da Capitania do Rio de Janeiro no período colonial. Estácio de Sá preferiu expulsar os franceses a usar o seu tempo para comer as silvícolas, ou mesmo tocar punhetas encostado nos rochedos, pensando em alguma prima deixada além mar. Acabou se fodendo; deveria ter deixado os franceses em paz, até porque já estavam lá, na área ocupada, há cerca de dez anos, vivendo do bom e do melhor que havia, banhando-se a cada 45 dias, dependendo do estoque de perfume europeu. O babaca do Estácio de Sá, durante a batalha de Uruçu-mirim, ficou gravemente ferido, vindo a morrer um mês depois decorrente de septecemia (putrefação do sangue ou infecção generalizada). Bem feito, deveria ter ficado na dele, mas, coitado, naquele tempo era impossível conhecer a malandragem dos cariocas, que ainda não existiam. Se fosse hoje, um carioca jamais permitiria que um indígena qualquer furasse o seu olho (o da esquerda ou o da direita) com uma lança, de certo, negociaria antes com o selvagem. Tomar uma cerveja no morro da Mangueira, cheirar uma carreira de cocaína no Vidigal, ir à baile Funk ou participar de uma suruba com as empregadas da Ilha do Governador são algumas das opções para salvar o olho. Fico imaginando se o portuga do Estácio de Sá tivesse dado a bunda aos franceses, talvez a nossa sorte hoje fosse melhor. Justa homenagem ao sobrinho de Mem de Sá: Estácio de Sá virou uma Escola de Samba e uma péssima universidade. O Rio de Janeiro de 450 anos + 02 dias continua a mesma merda, cidade cantada em verso e prosa, ao som de rajadas de fuzis e metralhadoras. Vá perguntar aos PMs das 38 UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) instaladas na “cidade maravilhosa”. A violência continua linda… Aquele abraço! As eternas belezas naturais, sem segurança pública, acabam ficando feias, pálidas, descoloridas – para nossa grande tristeza Oswaldo Goeldi não poderá mais retratá-las na versão 3º milênio.

Augusto Avlis

Nota: Oswaldo Goeldi (1895-1961) foi o maior gravurista brasileiro, retratou um Rio de Janeiro de tons escuros e cenas soturnas, reflexo de sua alma atormentada, bem distante do clichê alegre e luminoso a que a maioria recorre (341. Veja – 2415).

Navegue no Blog  opiniaosemfronteiras.com.br e você encontrará 630 artigos publicados em 14 Categorias. Boa leitura.

Anúncios

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

2 comentários sobre “Rio de Janeiro – 450 Anos + 02 dias

  1. Alô RIO DE JANEIRO, aquele abraço!!!! Um dia já foi Capital do Brasil e os outros Estados, diziam que era território inimigo!!! Hoje não sabemos para onde fugir.

    Publicado por nair | 03/03/2015, 22:51

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 155 outros seguidores

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: