>
Você está lendo...
Esportes

Ronaldo x Ronaldo

Ronaldo x Ronaldo

Depois de uma discussão acalorada no boteco da esquina (Escritório), resolvi escrever sobre alguns pontos do que foi dito. A beleza dos dois passou batida, mas as quatro pernas (duas de cada) são mágicas; nessa questão todo mundo concordou. De sã consciência, será que tem alguém que ainda achava que Ronaldo, o Fenômeno, não tinha lugar na Seleção Brasileira antes de parar de jogar futebol? Não descartando a premissa de que ninguém, absolutamente ninguém, é insubstituível – inclusive na prática de qualquer atividade esportiva –, Ronaldo, não fugindo à regra, tinha sim espaço garantido na Seleção, ainda que no banco de reservas.

O futebol brasileiro produziu, produz e ainda produzirá muitos craques para o mundo, o que facilita a vida dos técnicos e ao mesmo tempo traz complicações quando o assunto é escalar o time titular. É melhor ter sobra de talentos do que de pernas-de-pau. Vicente Matheus, eterno presidente do Corinthians, já dizia que “Jogador tem que ser completo como o pato, que é um bicho aquático e gramático”. Os torcedores se encantam a cada nova jogada dos craques da bola, com os seus dribles mágicos, com a comemoração do gol.

O ex-técnico da Seleção, Carlos Alberto Parreira, após a goleada por 4×1 sobre a Argentina na final da Copa das Confederações, em 2005, na Alemanha, declarou que “Não somos apenas os maiores favoritos ao título. Diria que somos favoritíssimos. […] Temos que aprender a conviver com o favoritismo”. Controlada a emoção, Parreira lembrou que nas vezes em que o Brasil saiu favorito para a Copa do Mundo se deu mal. Na Copa de 2006, na Alemanha, a imprensa especializada economizou adjetivos com relação ao “Fenômeno” e pecou por não tê-lo comparado ao pato do Vicente Matheus. A Itália foi campeã da Copa do Mundo de 2006 empatando na final com a França por 1×1 e ganhou nos pênaltis por 5×3.

A questão do favoritismo realmente é uma merda, outro exemplo foi a Copa de 1998, quando perdemos a final para a França, dona da casa, por 3×0 – Ronaldo, o “Fenômeno”, amarelou e descartou as demais cores da nossa bandeira. Na Copa seguinte, em 2002, no Japão e Coréia, ele deu o troco – estava devendo aos torcedores fanáticos e, sobretudo, aos patrocinadores.

Essa coisa de ficar comparando um jogador com outro, de escolher qual é o melhor, faz parte da cultura futebolística. Ronaldo Luís Nazário de Lima, ou simplesmente Ronaldo, Ronaldo Fenômeno, Ronaldinho e R9, é o maior artilheiro da história das Copas do Mundo com 15 gols marcados (já falei isso antes) – e pela atuação dos atuais atacantes reconhecidamente pernas-de-pau (perebas), esta marca dificilmente será quebrada tão cedo. O “Fenômeno” atuou no Barcelona, Real Madrid, Internazionale e Milan, enriquecendo o seu currículo. O ex-Fenômeno atualmente trabalha como comentarista da Rede Globo, provando aos amantes do futebol que “só fala bem quando está calado”. O “Fenômeno” marcou 460 gols em jogos oficiais, 82 gols nas divisões de base e 06 gols em jogos festivos.

Ronaldo de Assis Moreira, ou simplesmente Ronaldinho Gaúcho, Ronaldinho, Dinho, Showman, R10, R49 e Rei da Catalunha. RG foi eleito pela FIFA o melhor jogador do mundo nos anos de 2004 e 2005. O dentuço joga atualmente no Atlético Mineiro, enterrando de vez o seu sonho de voltar à Seleção Brasileira não só pela idade avançada como pela cara de bobo que faz a cada jogada errada, mas pode, na pior das hipóteses, retornar de cabeça baixa ao Flamengo para encerrar a carreira. Em pouco mais de 800 jogos (?) marcou até hoje pouco mais de 300 gols (?). Quando aposentar as chuteiras teremos a estatística oficial.

As qualidades dos dois, Ronaldo Fenômeno e Ronaldinho Gaúcho, com a bola nos pés são inegáveis, agora, qual o melhor? Isso talvez não tenha tanta importância, como não tem a comparação entre Zico com Roberto Dinamite. Enquanto Zico marcou 508 gols em 731 jogos com a camisa do Flamengo, Roberto Dinamite disputou ao todo 1.110 jogos e marcou 705 gols com a camisa do Vasco. Eu sei quem foi melhor, mas reservo-me o direito de não confessar.

Augusto Avlis

Anúncios

Sobre augustoavlis

Augusto Avlis nasceu no Rio de Janeiro na metade do século XX. Essa capital foi antes o Distrito Federal e o Estado da Guanabara. Profissionalizou-se em Marketing Operacional e fez parte, como Executivo, de multinacionais do segmento alimentício por mais de três décadas, além de Consultor de empresas. Formado em Comunicação Social, habilitou-se em Jornalismo. Ocupou cargo público como Secretário de Comunicação. Hoje dedica-se às atividades de escritor e cronista.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 154 outros seguidores

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: